Escola de moda com chefes poderosas

Pensei em escrever este post para contar um pouquinho sobre a minha trajetória no mercado de moda – onde e com quem trabalhei até hoje – e como forma de agradecimento por tudo o que aprendi com essas chefes poderosas.

Tudo começou em meados de 2007, quando trabalhava na Editora Abril, na área de marketing e vendas, e nem imaginava que estava prestes a dar uma guinada na carreira. Sempre via as editoras de moda durante o almoço, no refeitório da empresa, e suspirava pelos seus looks, cortes de cabelo… E foi aí que um belo dia pensei: “o que eu preciso estudar ou fazer para trabalhar em uma revista?”.  Como me formei em Administração de Empresas, logo imaginei que deveria cursar Jornalismo ou Moda, mas resolvi investigar. Afinal, para tirar qualquer ideia da cabeça é preciso se mexer! Deixei a vergonha de lado e enviei emails às editoras de todos os títulos da casa na época: ELLE, Capricho, Estilo, Manequim, Gloss… Me apresentei, disse que trabalhava com marketing na empresa e que gostaria de conversar para saber como poderia começar a trabalhar em alguma revista de moda. A primeira resposta era: “entre em contato com o departamento de RH ou marketing do título, aqui é uma redação, querida”. Claro, ninguém imaginava que eu quisesse um cargo editorial e sim algo ligado ao que eu já fazia: marketing. Depois de explicar minha vontade de me aventurar em outra área, algumas não me retornaram, outras disseram que não tinha vagas em aberto, mas a Susana Barbosa, da ELLE foi a fada madrinha que me recebeu, conversou, explicou e me deu o caminho das pedras para talvez enxergar uma luz no fim do túnel.

No nosso encontro ela me disse que pra trabalhar em revista, mais do que um curso em Moda ou Jornalismo (que claro, são super importantes e bem-vindos), era importante gostar de tudo que fosse relacionado a história, arte e moda. Me sugeriu fazer qualquer curso que pudesse me dar uma base dos “básicos” e/ou enriquecer meu repertório. Aí entram História da Moda, História da Arte, Fotografia, Cinema, Livros e filmes de biografias dos principais estilistas, Redação… só para citar alguns. Ela me alertou para sempre estar atenta a tudo – da moda nas ruas a filmes, seriados, desfiles, exposições – em todos os lugares, principalmente em viagens, que é quando saímos da nossa zona de conforto e ficamos mais abertos a absorver o que é novo. Ela também me disse que não tinha como me contratar (política interna da empresa, por causa da diferença do plano de carreira administrativo e por não ter vagas no momento), mas que eu poderia acompanhar suas edições de moda quando eu quisesse. Uau! Um sonho para qualquer menina, mas eu estava entregando o meu TCC e tinha aulas a noite, quando rolavam as sessões de moda lá no acervo. Quén, quén… No entanto estaria disposta a conversar sobre o assunto sempre que eu quisesse. =)

E foi depois deste papo e com essas preciosas dicas que eu comecei a me focar no meu principal objetivo desde então: trabalhar em revista. Ou melhor: trabalhar na ELLE. Pouco ambiciosa, né? Mas era o que eu queria e corri atrás. Na época eu tinha um blog beeem simples, de brincadeira mesmo, onde postava sobre tendências e looks favoritos dos desfiles que eu via. Sabe o que eu fazia? Mandava os links para ela ver, mesmo morrendo de vergonha. Quando rolavam as Semanas de Moda eu fazia “as escolhas de Bia”, brincando com a famosa coluna “as escolhas de ELLE” que apareciam nas edições pós-desfiles. Sugestões de pautas, tudo que eu achava relevante eu mandava para ela, tentando não ser chata, mas mostrando meu interesse e pedindo sempre sua opinião sobre como melhorar.

E no intervalo disso fiz cursos de Produção de Moda (Senac-SP), Gestão de Varejo e Gestão de Comunicação na Moda (IBModa-SP), neste último conheci a Kareen Terenzzo, uma das professoras do curso. De cara já gostei dela! Era diretora de marketing da Calvin Klein aqui no Brasil e parecia ser brava, sistemática, uma super profissional de marketing. No dia da apresentação do trabalho final eu fiz um desfile (comprei os tecidos, desenhei os modelos, confeccionei e apresentei – louca, eu sei) e ela me convidou para trabalhar no seu time. Uhuw! O começo da minha carreira na moda, finalmente tinha conseguido! Hoje somos super amigas também parceiras em um curso de Marketing Digital, no qual compartilho minhas experiências sobre o assunto. Ka, você deu o start em tudo. <3

Isso era começo de 2008 e, um dia antes de eu começar ela me liga dizendo que estava de mudança para a Arezzo. Meu Deus! E agora? Perdi a vaga? Vou ter outra chefe? Socorro! Para a minha sorte, deu tudo certo e quem ficou comigo foi a Denise Bergamin, top profissional que já tinha trabalhado com Waldemar Iódice, Turco da Cavalera, entre outros e quem assumiria o marketing da VR Menswear. Calma aí? Não era Calvin? Sim, mas da minha contratação até o início eu fui transferida e cuidaria então de moda masculina. Socorro de novo! Não sabia nada de moda masculina. Mas como era o começo de tudo, aceitei o desafio e não me arrependo. Comecei logo de cara com uma campanha e foi quando me apaixonei de vez: luzes, câmeras, styling, locação, maquiagem, produção… Acho que ali percebi que queria mesmo trabalhar com imagem! Fiquei seis meses cuidando do marketing e comunicação das 35 lojas da marca, próprias e franqueados e nunca aprendi tanto na vida. Do perfume e música que tocava nas lojas a decoração e material de vitrines, materiais de ponto de venda, tudo ficava com nós duas. Era bem cansativo, mas estava enfim começando no mercado de moda. De, obrigada por ser um anjo e não me deixar desistir quando parecia que não daríamos conta. Rs!

Aí, em julho de 2008 recebo um email que foi um dos mais felizes da minha vida. Era a Susana me dizendo que estava com uma vaga em aberto, que queria que eu fizesse um teste de um mês para ver se daria certo e, se sim, me contrataria em Agosto. Não preciso nem dizer que no dia seguinte estava lá, né? Feliz, assustada, ansiosa e querendo fazer tudo direito. Eu fiquei não só julho como dois anos na revista. Lá foi onde aprendi tudo o que sei hoje – escrever, produzir, pesquisar, pensar em pautas com serviço, treinar o meu olhar para materiais, estudar sobre as marcas e estilistas. Foi uma escola em todos os sentidos. Eu tinha 23 anos quando comecei e não sabia NADA do mundo editorial, a não ser os textos que escrevia por hobby. É curioso que até hoje recebo emails de pessoas me perguntando “como eu faço para ser editora de moda da ELLE?” como se fosse algo simples e da noite para o dia. Eu nunca fui editora lá. Comecei do zero, fazendo o básico, errando, aprendendo, tentando me superar a cada matéria ou editorial. Foram noites no acervo organizando as produções, madrugadas separando tudo para as fotos, noites a dentro escrevendo textos e créditos das modas. A dupla que mais me ajudou no começo de tudo foi a Inês Yamaguchi e Patrícia Kuratti, stylists maravilhosas que faziam freela para a revista e de quem sou amiga até hoje. Foram elas que me pegaram pela mão e levaram nas assessorias e me disseram como deveria fazer cada coisa no dia da foto. A Susana, Pat e Inês, meu eterno obrigada!

Foi na ELLE também que comecei meu blog profissional. Ele se chamava “Achados da Bia” e, em junho de 2010, quando saí da revista para apostar no blog e em novos projetos, pedi para manter o nome e comecei de vez este projeto que não tinha ideia no que iria dar, mas fui mesmo com medo. Lembro que na época muitas blogueiras como a Ale Garattoni, Mariah Bernardes, Camila Coutinho e Lalá Noleto me apoiaram e fizeram matérias sobre mim, o que impulsionou super o blog e a audiência disparou em menos de um mês no ar. Meninas, sem vocês teria sido muito mais difícil! Obrigada mesmo. (Eu disse que seria um post de agradecimento, então vão se acostumando com os agradecimentos. Rs!)

Na mesma época recebi convite para ser freelancer como produtora de moda da Jussara Romão, com a qual fiz campanhas publicitárias e revista institucional da Renner – aprendi demais e foi um dos trabalhos mais divertidos e prazeroso que já fiz. Ficamos 21 dias em viagem, clicando 7 editoriais pelo Nordeste para a marca. A equipe, o olhar da Jussara, sua expertise de mais de 15 anos na moda foram essenciais para meu crescimento. Ela me dava autonomia para grandes decisões e eu me sentia muito valorizada com seu apoio e confiança. Ju, luv ya!

Em outubro de 2010 outro convite inesperado e maravilhoso, agora da Doris Bicudo: ser editora de moda da revista RG. A Vogue tinha acabado de sair da Carta Editorial e eles queriam dar um boom nas sessões de moda da revista. Lá fiquei até março, quando fui convidada pela Alice Ferraz para integrar o time de blogueiras do seu recém-lançado F*Hits. Já nos conhecíamos da época em que eu era produtora da ELLE e foi um convite que encheu meu coração de alegria. Estar entre uma das escolhidas para integrar o time de um projeto tão visionário foi super gratificante. Além de fazer parte do grupo, a Alice me convidou para fazer parte da sua empresa como assessora de imprensa e editora de conteúdo para as redes sociais de alguns de seus clientes. Lá cuidei de contas como NK, Vogue, FIT, Adriana Degreas, Corello, Netshoes… Também fiz editorias bem legais para o F*Hits, o FHits Clicks – confira: Marc Jacobs, Tiffany & Co., Carolina Herrera e Isabella Giobbi. Alice, com você cheguei a lugares onde nunca teria chegado sozinha. #gratidão

Saí de lá em 2012, quando quis focar em cursos e no meu blog, já que o trabalho estava me deixando sem tempo de abastecer o Achados como eu queria. Passei um tempo em Londres e então a Doris Bicudo me fez outro convite especial: ser editora de conteúdo nas revistas customizadas que produzia: Daslu e Carmen Steffens (essa fazemos até hoje!). Sempre foi uma delícia trabalhar com ela e com a Fafa Amaral, que é diretora de arte, dona da inc design. Receber todos os produtos e poder fazer a edição deles em sessões, criar pautas e pesquisa de imagens é muito legal e o trabalho é grande, mas sempre leve e divertido. Parceria que dura até hoje! Obrigada pelas oportunidades incríveis e por compartilhar comigo seu olhar, Do. <3

Por fim, em 2014 conheci a Isabella Blanco, designer de joias pela qual me apaixonei a primeira vista. Estive em um evento no qual tinham um espaço com as suas peças e fiquei babando. Fiz questão de conhecê-la pessoalmente. Sempre gostei de vintage e fiquei encantada com o seu trabalho primoroso de garimpo e criação de itens únicos, fortes, poderosos e “cheios de história”. Conforme fomos nos aproximando, surgiu o convite da Isa para desenvolvermos uma coleção de joias juntas e eu realmente pirei. Aprendi tanta coisa com ela…! <3 Fomos juntas a Madrid onde garimpamos as peças que seriam da coleção – fivelas de acrílico dos anos 60 – e ela me mostrou todos os seus achados da cidade. Posso falar? Olho é tudo! E bom gosto, claro. Um endereço mais especial que o outro. Hoje somos amigas e a considero como mãe postiça pelo carinho que ela tem comigo. Beijo, beijo, beijo!

Agora, quem me acompanha desde sempre e é a grande responsável por TUDO mesmo o que eu sei na “arte de se vestir” é a Ana Perotti, mãe-musa que sempre foi referência de bom gosto, estilo e originalidade. Nunca foi do time das básicas! Na infância e adolescência ela me mandava colocar um acessório poderoso ou até mesmo esquisito para dar personalidade ao look. Me ensinou a não ser careta e ter atitude: “se você não se sentir bonita com essa roupa ninguém vai achar, filha. Segure a produção com confiança e arrase!” É uma delícia ver seus álbuns de fotos antigos e perceber o quão vanguardista ela era. E a vontade de ter todas aquelas peças para desfilar por aí? Ai, ai… Mama, obrigada por todas as lições e por ser essa pessoa tão especial em todos os sentidos, sempre me apoiando em tudo. Te amo!

Ufa… Post longo, mas só dando uma pincelada sobre tudo o que vivi com pessoas tão importante na minha vida e que me fizeram ser quem eu sou hoje! Obrigada, de coração, meninas! You rock! #gratidão

6 comentários COMENTE TAMBÉM

Muito emocionada com essa linda homenagem! E eu, que não tenho filha, sinto-me super agraciada por ter te conhecido e poder trocar experiências tão enriquecedoras, coisa que só conseguimos com quem temos muita afinidade! Love you!!!

Muito legal conhecer sua história. Parabéns e sempre sucesso! beijinhos com arte.

Bioca,
Sua trajetória é digna de uma profissional, que constrói uma carreira experimentando as muitas oportunidades que o mercado tem a oferecer.

PS: seu post de agradecimento a tantas profissionais mostra outra qualidade importante: reconhecer que não chegamos a lugar nenhum sem ajuda, apoio e ensinamentos de todos que passam por nossa vidas.

meu carinho sempre

Que história mais inspiradora, Bia!! Eu sempre amei moda, imagem, design e arte, mas acabei enveredando por outro caminho sabe-se lá por que, hahah (sou bióloga!).
Já faz algum tempo que estou querendo migrar de alguma forma para a moda, criei um blog há pouco mais de um ano (o http://www.lacotovie.com), para compartilhar as coisas que curto e amo, e comecei a fazer um curso de Produção de Moda no Senac-RJ. Lendo o seu relato, fiquei ainda mais inspirada e motivada a seguir esse caminho, seu blog é um dos primeiros que comecei a acompanhar e sempre amei o seu estilo, vintage, com peças únicas e originais.

Beijocas!

Bia sou uma admiradora de seu trabalho e de sua beleza! Interior e exterior!
Queria saber qual esse curso de marketing digital o qual você é professora.
Excelente a construção de sua trajetória. Inspiradora!
Parabéns!

amei amei amei! muito lindo da sua parte fazer este post. um viva aos encontros maravilhosos que permitem a gente crescer. também aprendi com você <3 beijo grande

Comentários fechados.

quem faz os achados
Colaboradores

Clique para fechar