Minha viagem a San Sebastián, Espanha

Hoje vou falar da viagem que fiz, para San Sebatián, a convite da Secretaria de Turismo da Espanha e da San Sebastián Tourism, no mês passado. Estava devendo o post para vocês com todo o roteiro e minhas dicas, mas como queria algo bem completinho deu um pouco mais de trabalho para fazer… mas aqui está! Espero que gostem. =)

Para começar: por que ela foi especial? Primeiro porque eu AMO viajar, principalmente para destinos inéditos, depois porque me senti lisonjeada e achei muito legal ter sido escolhida por eles para poder visitar uma das principais cidades da Espanha e, por fim, por ter ido com duas meninas que eu admiro muito, a Jo Moura, do Um Ano Sem Zara e com a Manu Bordasch, do Steal The Look. Nossa sinergia foi ótima, temos os mesmos interesses, pensamos de forma parecida e elas são super companheiras de viagem! Comemos e bebemos sem pensar em dieta, fomos às compras, às praias e aos museus com a mesma energia e rimos muito. Posso dizer que, apesar de ser “trabalho”, mais pareceu férias entre amigas.

Embarcamos dia 18/06, um domingo, para passarmos três dias por lá e, no fim, uma surpresa > visita ao QG da Inditex, o grupo da Zara, na Galícia. Acabei emendando com uma semana em Barcelona, para curtir férias com meus pais. Mas este é tema para oooutro post!

Falando um pouco da charmosa cidade, não sabia o que esperar deste balneário do País Basco e fiquei impressionada – é apaixonante! Pela proximidade com a França, tem muitos franceses por lá e também visitantes do mundo todo e reúne tudo que eu amo: gastronomia (ela é uma das cidades com mais restaurantes com estrelas Michelin – são 16! Sério, gente, muita comida maravilhosa), arquitetura linda e inspiradora (destaque para o calçadão que remete à Belle Époque, ao City Hall, Hotel Maria Cristina, Praça da Constituição e igrejas), paisagem incrível com praias e vistas estonteantes, vida noturna agitada (alô, bares de pintxos e tour pela Parte Velha), arte/festivais/cultura (a cidade é sede de Festival Internacional de Cinema, que orla em setembro e visitamos Getária para conhecer o Museo Balenciaga) e, claro, moda (são muitas lojas locais com produtos diferentes que garantem ótimos achados, além de terem a segunda maior Zara do país – é enorme meeesmo).

E como a vila de pescadores San Sebástian (ou Donostia, em basco) se tornou destino concorrido para as férias de verão? Graças à princesa austríaca Maria Cristina visitou, se apaixonou e quis sua casa de veraneio de frente para o cartão postal da cidade – a Baía de La Concha, que tem 1.350 metros de extensão, com uma grande faixa de areia branca fininha, banhada pelo mar Cantábrico, uma ilha bem no meio e dois montes arrematando suas extremidades: o Urgull e o Monte Igueldo. No primeiro existe um parque enorme que não chegamos a visitar, mas que dizem ser uma delícia. Já no segundo, a dica é subir pelo elevador funicular e apreciar a bela vista da cidade lá do topo, super recomendo! Garanto suspiros e fotos lindas. Ao descer aproveite para andar até o fim do passeio para apreciar as obras de Eduardo Chilida, artista que fez três esculturas de aço abstratas intitulada Peine del Viento XV (1976), pesando trinta toneladas, em rochas ali na arrebentação do mar – um cartão postal da cidade. Mas, voltando à rainha (sim, ela se casou com o rei espanhol e conquistou sua morada Miramar com vista dos sonhos) e seu palácio, este também vale a visita pela arquitetura e jardins. Descendo para o calçadão, a dica é apreciar as grades, postes de luz e detalhes com estilo da Belle Époque. Vocês sabem que amo vintage e fiquei me imaginando passeando por ali outrora… ai, ai! O famoso SPA La Perla, com suas piscinas termais de hidromassagem é spot concorrido, mas a dica é sentar em um dos barzinhos e curtir o por do sol na cia de um bom vinho.

Mas, vamos fazer o roteiro dia a dia que acho mais fácil para não me perder nas várias dicas:


Dia 1: 19/06 – segunda-feira

Chegamos por volta das 10h e fomos para o nosso hotel, o Arrizul Gongress, super novinho, inaugurado este ano, que fica na praia de Zurriola, a que eles chamam de “praia dos surfistas”, mais agitada que a La Concha e “perigosa”. Deixei as malas no hotel e corri para dar um mergulho no mar e curtir o Sol escaldantes e tomei um caldo que até levei umas algas de souvenir comigo. Rs!

Nossa primeira descoberta foi o restaurante também recém-inaugurado TOPA Sukalderia, que mistura gastronomia basca com a latino americana – deli! Começamos com o guacamole que é feito na mesa por nós! Eles mandam uma cumbuca, um pilão, os ingredientes e um how to com as instruções. Para acompanhar pedimos o Euskojito, preparado com o famoso vinho branco da região, o Txakoli (já falo mais sobre ele!) + Sprite + hortelã, mega refrescante. Seguimos com o menu degustação que prepararam para nós (adorei as quesadillas e Flan Bolivar de sobremesa). Hmmm, salivei só de relembrar!

De lá fomos conhecer o Monte Igueldo e fizemos o passeio que falei ali em cima, terminando no lindo City Hall, que antes era um cassino (1887-1924). Foi muito legal! Terminamos o dia com uma visita a Parte Velha da cidade, que era “murada” e tem entrada pertinho da marina, na base do Monte Urgull. Começamos com um pit stop na Basílica de Santa Maria del Coro (amo igrejas e entro em todas. Essa é de estilo barroco, de 1774!) e depois demos o start ao nosso pub crawl, ou melhor, pintxos crawl pelas vielas, parando de bar em bar provando a especialidade da casa, que fica toda exposta nos balcões. Pintxo é o nome dado a pequenos aperitivos, em sua maioria pão com coisas deliciosas em cima, e nisso esse povo é especialista. Tem desde pão com camarão a ouriço, polvo, ovas, jamón, ovo, linguiça, batata… um melhor que o outro, dá vontade de provar todos e os preços são ótimos. Óbvio que voltei com kilos a mais. Sou do tipo que come mesmo e depois corre atrás do prejuízo. Afinal, cultura também é isso, não? Tiramos a noite para conhecer o Lete Taberna, o Taberna Gandarias Jatetxea e o Atari Gastroteka – neste último peça o polvo. De comer agradecendo! =)


Dia 2: 20/06 – terça-feira

Acordamos e tocamos para Getária, cidade nata do estilista Cristóbal Balenciaga, que fica há mais ou menos 30 minutos de San Sebástian para conhecer o Museu Balenciaga, criado em sua homenagem. Que experiência! Tem que ir! Ele foi construído em um moderno edifício no alto de uma colina, ao lado de uma casa do século 19 (Casa Torres), na qual sua mãe era costureira da família proprietária. Aliás, foi a marquesa da Casa Torres que o ajudou no início de sua carreira – tornou-se sua cliente e patrona e o mandou a Madri, onde recebeu treinamento profissional. Sua primeira loja foi inaugurada em 1919, em San Sebástian para atender a rainha Maria Cristina e a nobreza que passava a temporada de verão por lá.

O acervo é incrível e conta com aproximadamente 1.800 peças. Conferimos a exposição da coleção da Rachel Mellon, uma paisagista americana que só usava Balenciaga, do look para jardinagem a festas de gala – imagina só, que luxo! Não à toa, ele sempre estava à sua disposição, criando itens exclusivos como as bolsas de palha desejo com suas iniciais ou apelido “Bunny”. Uma fofura! Nos manequins, joias Tiffany & Co. compunham as produções. Ela doou todo o seu acervo para o museu e são itens de cair o queixo. Considerado o “mestre dos mestres” por Dior, ele transformou totalmente a silhueta, alargou os ombros, removeu a cintura de suas criações. Os ícones são o vestido túnica que mais tarde virou o chemise, depois veio o vestido império (cintura alta, amo!) e casacos cortados como quimono. Em 1968 Balenciaga fechou sua casa de moda ao perceber o advento do prêt-a-porter, iniciado pelos franceses. Faleceu pouco tempo depois, aos setenta e sete anos de idade. Descemos pela ruazinha para ver onde era sua casa – super simples, ele era filho de pescador e costureira, mas que tem uma vista estonteante. Amei tudo isso! =)

De lá fomos almoçar na Rezabal Txakolindegia, vinícola produtora do vinho mais famoso da região (o que tomamos no primeiro dia, lembra?). Ele é branco, levemente espumante… hmmm! Não vende no Brasil, então por favor importadoras, resolvam isso asap? Rs!

Fomos recebidas pela dona, super simpática, ex-cantora que se casou com um músico herdeiro das terras que já produzia essa típica uva da região. Ele é a melhor pedida para acompanhar os famosos pintxos bascos, por isso não poderia ter sido diferente: um banquete com delícias estavam à nossa espera. A casa fica no alto de uma colina, com uma vista linda do mar e fizemos um tour pelos vinhedos dando risada e aprendendo mais sobre todos os processos de sua produção.

Saindo de lá fomos tomar um chá no famoso e icônico Hotel Maria Cristina – lugar onde se hospedam todos os famosos que visitam a cidade, inclusive os atores e atrizes durante o Festival Internacional de Cinema que acontece em setembro. Ele foi fundado em 1912 e tem décor estilo belle époque, e fica de frente para o rio Urumea, que desemboca no mar. Mesmo se não estiver hospedado lá, a dica é visitar o Dry Bar, que tem ambientes aconchegantes e intimistas e fica aberto até às 2 da manhã – perfeito para um late drink. Mas fomos tomar um chá mesmo! Ao longo do lobby existem várias vitrines com uma seleção bem linda de itens de moda e décor, com estilistas e lojas típicas da cidade. Aliás, esse é nosso próximo tópico. Preparadas para as lojas-achados?

Saindo do hotel, pela parte de trás, você entrará em uma rua recheada de lojinhas interessantes. A primeira delas é a Atlantis (Bengoetxea 1 – Esquina Okendo) que tem uma curadoria de bijoux e chapéus de suspirar. Eu amei! Seguindo pela rua, siga até a loja de perfumes e beleza Benegas (Rua Garibay, 12). Ela é linda, super completa e tem um perfume típico da cidade, o  Ssirimiri, com cheirinho de “chuva”. Levei porque pra mim, memória olfativa é tudo e sei que para sempre foi lembrar dessa viagem quando usar o perfume! Na mesma região, você ainda encontra uma loja de bolsas, casacos e acessórios bem legal, a BOX (Peãflorida Kalea, 10). Eu amei mesmo foram os leques quadrados, super diferentes! Ainda por ali nos deparamos com uma loja muito legal de alpargatas e espadrilles, calçados típicos da região, a Kokékokó. Tinha em todas as cores e estampas – uma perdição! P

Na Parte Velha também tem lojas bem legais como a conceitual multimarcas Noventa Grados (Calle Mayor, 3) que vende Givenchy, Comme des Garçons, Balenciaga e Rick Owens. Mas o que vale a pena mesmo é visitar o salão de belezas que fica dentro da loja, abastecido com marcas dos quatro cantos do mundo. Ah, e claro dar uma olhada na seleção de óculos que tem modelos incríveis de marcas menores como a Los Angeles Dita, além das joias Vanrycke (adoro os pingentes com as iniciais) e os lenços ma-ra-vi-lho-sos do argentino Juan Gatti, que é quem faz as artes dos lambe-lambes dos filmes do Almodóvar. Show!

De lá fomos para a segunda maior loja da Zara da Espanha. É giga mesmo e ocupa um quarteirão inteirinho. Fica na Urbieta Kalea, 9 e bem pertinho tem Mango, Uterqüe e Bimba y Lola que também são de rede, mas que prefiro pois sei que não encontrarei no Brasil.

Se você está cansada de deste dia, está acabando… ufa! Finalizamos com um jantar no hypado restaurante Narru (Calle Zubieta, 56) que é destaque em muitos sites de gastronomia mundo afora. E não pense que pelo fato de ele ser premiado o ambiente é formal e cheio de frescura. Muito pelo contrário! Super simples, com décor escandinava é um ambiente jovem e descolado e fica no subsolo do Hotel Niza, na Baía de La Concha. Em 2010 o Wall Street Journal nomeou Iñigo Peña como um dos 10 jovens chefs europeus para ficar de olho. Pratos simples com ingredientes frescos a preços acessíveis: como disseram no artigo, “É preciso coragem para servir um prato tão devastadoramente simples como um refogado de cogumelos de primavera com um ovo poche, ou um pedaço de garoupa fresca (capturada algumas horas mais cedo) com nada mais elegante do que uma mancha de creme de batata e um sofrito (molho) de cebola no azeite.” Hmmm! Deu saudades. Pedimos de entrada o pão com tomate e tartar de atum, depois o polvo maravilhoso.


Dia 3 – 21/06 – quarta-feira
No nosso último dia na cidade, quisemos aproveitar o Sol e o mar na Isla de Santa Clara, aquela lindona que fica no meio da La Concha. Fomos de barco que é bem tranquilo, rapidex (uns 8 minutos) e acessível e sai da Marina. Você pode fazer o passeio completo que vai até o Monte Igueldo, mas optamos pelo mais rápido e ir diretamente para a ilha. Ele sai e volta a cada 15 minutos! Vale reservar pelo menos um dia ou uma tarde para este passeio.

Lá tem um calçadão com um bar simples, mas deli e mesinhas com guarda-sol de frente para o mar. Você desce as escadas e já está no mar geladinho e maravilhoso. Ai, ai… foi muito bom poder passar a tarde a base de txakoli (sempre ele!) e petiscos do mar. A pedida foi a paella que estava divina. Ah! Vale citar que a mulherada lá faz topless sem nenhuma vergonha. É cultura deles e raro é encontrar alguém com os seis cobertos. Nós três de maiô éramos as mais recatadas. =P

O jantar foi no restaurante Urepel que gostamos, mas achamos super tradicional, sério demais… então terminamos a noite na Parte Velha, com mais vinho, claro! Um destino não óbvio, mas cheio de boas surpresas posso dizer que quero voltar a San Sebastián muito em breve. No dia seguinte madrugamos para voarmos até a Galícia para conhecermos o QG da Inditex, do grupo Zara. Mas isso é assim para o próximo post!

Agradecimento especial a Rimowa pela mala poderosa que me permitiu fazer 6 voos sem stress e à Easysim4u, que me permitiu postar tudo para minhas seguidoras em tempo real, no stories e insta. Quem acompanhou? Adoro porque você compra o chip e já leva daqui do Brasil e chega lá já conectada. Eles possuem diversas opções de pacotes de celular e internet para vários cantos do mundo – em fevereiro também fechei com eles para a Semana de Moda de NY. Super indico!

___

Aproveitando, pedi dicas especiais para a nossa parceira Teresa Perez sobre a cidade (lugares que não visitei, mas que valem super a pena!). Com certeza um complemento mais que bem-vindo para o post:

San Sebastián é um expoente gastronômico na Espanha, com cafés e restaurantes por toda a parte. A cidade concentra o maior número de estrelas Michelin por metro quadrado do mundo, se apresentando como uma ótima opção para aproveitar os prazeres da culinária espanhola e, principalmente, basca.

Arzak
O melhor dos melhores ingredientes locais, com as técnicas mais avançadas e elaboradas, sem desrespeitar antigas receitas culinárias do País Basco. É disso que se trata o Arkaz. Os chefs Juan Mari Arzak e Elena Arzak Espina se orgulham de dizer que todos os que vivem em San Sebastián, cidade onde o restaurante está, já fez ao menos uma refeição ali. A especialidade da casa são as lulas com cebola e molho de limão.

Mugaritz
O restaurante Mugaritz se tornou famoso por dois motivos: o primeiro deles foi por sua entrada de “pedras comestíveis”; a segunda, foi por, há vários anos, figurar entre os 10 Melhores Restaurantes do Mundo, no ranking feito pela revista britânica The Restaurant. A técnica do chef Andoni Luis Aduriz é reacender as emoções de seus visitantes a partir de pratos que se relacionam com a história da Espanha e, por consequência, com a das pessoas. Como resultado, além de satisfazer o paladar, o chef ainda gera um carisma sem igual.

Akelarre
Comandado pelo chef Pedro Subijana, o Akelarre tem ambiente agradável, com uma deslumbrante vista para o mar. O menu degustação é criativo e bem elaborado, utilizando os melhores ingredientes de cada estação.

Iriarte Enea
Nas encostas do Monte Jaizkibel, em Lezo (aproximadamente 15km ao leste de San Sebastián), está o Iriarte Enea. Há vinte anos, o restaurante serve pratos de peixes, carnes grelhadas e cordeiro, com destaque para o tamboril, o prato de jamón, a salada de tomate com cebola fresca e os croquetes – famosíssimos! – da casa.

Hotel Maria Cristina – San Sebastian
Localizado no centro histórico de San Sebastián, o Hotel Maria Cristina está intimamente ligado à vida cultural da cidade. Desde a primeira edição do San Sebastián International Film Festival, em 1953, a propriedade já hospedou astros e estrelas, como Elizabeth Taylor, Bette Davis, Woody Allen e Brad Pitt. Seus quartos e suítes contam com decoração em tons pastéis, que seguem o estilo clássico e opulento da belle époque. Dentre as opções gastronômicas, destaque para o Tsa Yang, que serve a alta cozinha chinesa.